teste
teste

Criando uma rede de relacionamentos para conseguir um emprego?

rede de relacionamentos

Criando uma rede de relacionamentos para conseguir um emprego?

Segundo a NPR, considerando que de 70% a 80% das vagas de emprego são preenchidas internamente ou por meio de referências, a rede de relacionamentos profissionais – juntamente com morte e impostos – se tornou uma das mais temidas inevitabilidades da vida. Para muitos de nós, só de pensar em passar uma noite em uma sala lotada, cumprimentando efusivamente pessoas desconhecidas, já é suficiente para despertar lembranças há muito reprimidas do tempo das danças durante o período escolar intermediário. No entanto, William Duggan escreve em seu novo livro, The Seventh Sense, que isso pode se dar porque a maioria das pessoas utiliza uma abordagem equivocada para redes de relacionamentos.

Como criar uma rede de relacionamentos?

Para a maioria de nós, a criação de uma rede de relacionamentos profissionais tem tudo a ver com encontrar um emprego, mas, segundo Duggan, essa pode ser a oportunidade de responder à pergunta mais importante com a qual qualquer um de nós terá de se confrontar: “O que devo fazer com minha vida?”.

Duggan relata em seu livro uma história envolvendo Thomas Edison – talvez apócrifa, mas muito citada – relacionada à resposta que ele deu a uma demonstração de desânimo de um colega em virtude dos repetidos fracassos que eles tiveram. “Não fracassei”, disse Edison. “Apenas descobri 10.000 formas que não dão certo.”

Segundo Duggan, essa é a forma pela qual a maioria das pessoas encara uma rede de relacionamentos, como se fosse um jogo de números. Sabendo de antemão que são poucas as chances de, aleatoriamente, encontrarmos o contato ideal, ficamos tentando conhecer tantas pessoas quanto possível, na expectativa de encontrarmos a pessoa que queríamos. Isso faz da criação de uma rede de relacionamentos uma tarefa árdua, demorada e quase que totalmente infrutífera. Duggan afirma que “se você encara a criação de uma rede de relacionamentos como um jogo de números, então, a verdade nua e crua é que os números vão conspirar contra você”.

Uma nova técnica para criar uma rede de relacionamentos

Em vez de praticar a abordagem-padrão à criação de uma rede de relacionamentos profissional, Duggan recomenda aquilo que ele chama de “criação de uma rede de relacionamentos de ideias”. A abordagem desenvolvida por Duggan para a criação de uma rede de relacionamentos baseia-se em uma observação óbvia – ocasionalmente, difícil de ser digerida –, a saber: a maioria das pessoas não tem interesse algum em sua procura por um emprego. Duggan diz que, em vez de iniciar uma busca por emprego sozinho, utilizando dezenas ou centenas de contatos, a criação de uma rede de relacionamentos de ideias representa uma “caça a um tesouro por uma oportunidade imprevisível”, mediante a qual as ideias e perguntas que estimulam tanto você quanto outras pessoas se tornam o foco principal de uma pequena série de conversas de alto nível.

A criação de uma rede relacionamentos de ideias pode ser desmembrada em, praticamente, três etapas:

  1. Apresente uma ideia na forma de pergunta.

Para muitas pessoas, essa será a fase mais complicada, mas não precisa ser assim. Sua pergunta deve abordar um problema pelo qual você é obcecado, deve ser suficientemente específica para intrigar alguém da indústria e deve ser suficientemente abrangente para permitir o maior número possível de respostas diferentes e plausíveis. Para aqueles que estão tentando encontrar uma pergunta desse tipo, Duggan sugere o seguinte: “Comece com seus próprios interesses e, então, pergunte-se: como esse segmento poderá mudar nos próximos dez anos? Qual parte desse segmento chama mais sua atenção? Dessa forma, sua pergunta é: alguém está fazendo X e, em caso afirmativo, como isso funciona?” Duggan prossegue dizendo que “Há uma variedade infinita de perguntas. Teste sua pergunta, fazendo-a a alguém de sua confiança, e peça à pessoa para dizer se a pergunta foi interessante ou não. Essa mesma pessoa pode, também, ajudá-lo a encontrar uma pergunta mais indicada.”

  1. Encontre alguém com quem conversar.

Ao passo que, na criação de uma rede tradicional de relacionamentos, talvez você tenha de se reunir e conversar com dezenas de pessoas, no caso de uma rede de relacionamentos de ideias, Duggan recomenda que a pessoa concentre seus esforços em achar uma pessoa bem relacionada e influente no segmento e que talvez esteja interessada na pergunta. Duggan observa que “Você pode contactar essa pessoa por e-mail, telefone ou – melhor ainda – pessoalmente”. Porém, qualquer que seja sua decisão, “nunca diga que você está procurando emprego”. O objetivo da criação de uma rede de relacionamentos de ideias é manter o foco na ideia.

  1. Encontre mais três… e, depois, mais três

Ao se empenhar pela criação de uma rede de relacionamentos de ideias, a forma como você conclui a reunião é tão importante quanto à forma com a qual você inicia a reunião. Para aumentar sua rede de relacionamento e prosseguir na busca por uma pergunta, ao final de sua conversa, pergunte à pessoa se ela conhece alguém mais que pudesse se interessar em discutir sua pergunta. Você pode conseguir de zero a dez nomes – três seria uma boa meta. Então, faça o mesmo com as próximas três indicações e assim por diante, ou seja, mais três, mais três…

Gradualmente, você começa a entender como ninguém o enigma que você mesmo começou e é essa experiência que vai impressionar as pessoas que você conhecer.

Duggan salienta que “No final, você acaba encontrando a pessoa, ou alguém que essa ou outra pessoa conhece, que, realmente, precisa de você nesses tempos conturbados. “Talvez essa pessoa ache que ela está procurando alguém com uma certa experiência e que tenha determinadas habilidades ou alguma aptidão que aparece nos currículos. Mas, na verdade, o que ela está procurando mesmo é algo de que nem ela mesma se dá conta, até que ela encontra você: alguém com ideias. E é isso o que você demonstrou desde o início”.

William Duggan

William Duggan

 

Publicado originalmente em Columbia Ideas at Work, uma publicação de Columbia Business School.

http://www8.gsb.columbia.edu/ideas-at-work

 

MINDQUEST E COLUMBIA

MindQuest e Columbia Business School são parceiros em vários projetos de educação corporativa. Conheça mais sobre essa parceria clicando aqui.

 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Compartilhar