teste
teste

Diversidade e Liderança: Como estão conectadas?

diversidade

Diversidade e Liderança: Como estão conectadas?

A sustentabilidade tem um grande viés ambiental, mas cabe vê-la também sob o enfoque cultural e social, onde a diversidade tem papel primordial.

Por Adalgisa Almeida * Adalgisa Almeida
A sustentabilidade é um tema que se destaca no momento atual, quando o nosso planeta dá sinais claros de que não suporta o ritmo de consumo que está sendo impresso. Com sua forma provocativa de pensar, C.K. Prahalad destaca a importância da sustentabilidade nos negócios. Em seu artigo para a Harvard Business Review, de setembro de 2009, ele ressalta os desafios que as empresas enfrentam nesse cenário competitivo, onde a escassez de recursos naturais, aliada ao aquecimento global, tem levado a sociedade e os mercados a buscarem um novo modo de pensar e atuar na construção e desenvolvimento de competências e comportamentos para se colocarem em vantagem competitiva.

Pensar “fora da caixa” e abrir mão de modelos e formas de agir já conhecidas e exitosas demanda questionar, ter coragem de buscar novas opções, ampliar o conhecimento e trabalhar com a dimensão da dúvida e da incerteza. Ousar uma visão ampliada, um sair à frente e não seguir no rastro da manada.

A INFLUÊNCIA DA DIVERSIDADE

Embora a sustentabilidade seja um tema com grande viés ambiental, cabe vê-la sob o enfoque cultural e social, onde a diversidade tem um papel primordial. Da mesma forma que a sustentabilidade se configura na diversidade dos contextos do planeta Terra, a sociedade e, naturalmente, as organizações se compõem de uma diversidade de culturas, práticas, saberes, pessoas e experiências. O dinamismo da vida contempla a diversidade.

Neste cenário, emerge e figura do líder que seja capaz de enxergar mais longe, com ampla visão estratégica do negócio, numa ótica de oportunidades. Com a coragem para, segundo Kouzes e Posner, no livro Desafio da Liderança, “apontar caminhos, inspirar uma visão compartilhada, desafiar o estabelecido, permitir que os outros ajam e encorajar o coração”. E, com clareza de propósito, capitanear mudanças em cenários complexos e resistentes, posicionar a empresa e conduzir os profissionais, combinando expertises, comunicando valores, além de persuadir, negociar, envolver, educar e construir sinergias.

Assim, a sustentabilidade das organizações demanda líderes com esse olhar na diversidade do ambiente externo – onde a propalada globalização, acelerada pela tecnologia, já está instalada e impacta todos os contextos – e, consequentemente, na ambiência interna – onde permeia a universalização de padrões culturais. Não há mais lugar para práticas discriminatórias e é patente que bons resultados irão advir de ações que vivenciem o fato de que precisamos uns dos outros, do diálogo, da cooperação e da construção colaborativa para sustentar este mundo em constante transformação.

LIÇÕES DE LIDERANÇA

Há pouco mais de cinco anos, num domingo, 22 de agosto de 2010, uma mensagem ecoou no deserto do Atacama: “Estamos bien en el refúgio, los 33”, anunciando a vida dos mineiros presos na mina de São José, em Copiapó, no Chile. A esperança fora renovada! Um silêncio de 17 dias foi quebrado, depois que 700 mil toneladas de uma das espécies mais duras de rocha desmoronarem na mina chilena, sepultando os mineiros a mais de 650 metros de profundidade. O mundo se emocionou, solidarizou-se e festejou.

Em outubro de 2015, o Brasil pôde assistir à estréia do filme “Os 33”, que nos reporta à memória desta incrível experiência dos 33 mineiros até o resgate final. A despeito das contradições que tem cercado a vida dos mineiros após o resgate, o ocorrido nos traz inúmeras lições. A principal delas é a importância do trabalho de um líder em situações adversas, seja no interior da mina, na corrida contra o tempo para identificar estratégias de resgate, bem como na ação decisiva do governo chileno à época. “Ou o governo assumia a responsabilidade pelo resgate ou ninguém o faria”, como declarou o presidente Sebastián Piñera: “nós os resgataremos vivos ou mortos”.

LIDERANÇA APLICADA

No Summit ENTRE LÍDERES 2013 – que reuniu os principais executivos de recursos humanos do País para debater a educação corporativa, gestão de talentos, desenvolvimento de lideranças – a MindQuest Educação trouxe Amy C. Edmondson, professora da Harvard Business School e uma estudiosa do caso dos mineiros, para conduzir o estudo de caso “Lições Críticas de Liderança: O Resgate dos Mineiros do Chile”.

Ela destacou as formas de organização e liderança aplicadas na situação, vinculando as metáforas do resgate com o dia a dia nas empresas em seu ambiente de incertezas, desafios e complexidade. Trouxe uma nova luz sobre o trabalho em equipe, mostrando como produzir resultados positivos quando as equipes demonstram uma atitude vigilante de percepção recíproca das necessidades.

Amy enfatizou que 80% do crédito do sucesso do resgate vão para a liderança e 20% para o conhecimento técnico. O problema técnico existia, mas o relacionamento interpessoal, a comunicação efetiva e a organização para resolver o problema foram essenciais.

Ela apontou a necessidade de o líder:

  • Sair de sua zona de conforto e gerenciar as situações com versatilidade de características;
  • Gerar esperança e ter uma visão de futuro com consciência pragmática e da realidade;
  • Transmitir confiança e calma e ser inspirador, enérgico e firme nas decisões;
  • Identificar as diferenças individuais, os diversos saberes e alocá-los nas atividades certas; e, acima de tudo
  • Ter foco e ser conduzido por um propósito claro: para os mineiros soterrados, sobreviver; para o governo e técnicos, resgatar.

PRATIQUE A LIDERANÇA

A MindQuest Educação, em seus programas corporativos, tem utilizado o Caso do Resgate dos Mineiros no Chile para trabalhar as competências de liderança, desenvolvimento de equipes multidisciplinares e multifuncionais, comunicação efetiva e a abertura à mudança e inovação. Através do Pratique – tanto na sua forma online como presencial, e até mesmo nas atividades avulsas do Presencial de Alto Impacto – empresas como o Tribunal Superior Federal, SERPRO, Bunge, Neoenergia, Mineração Rio do Norte, dentre outras, têm desenvolvido seus gestores e profissionais para um repensar consistente, preparando-os para lidar e contribuir na construção de soluções para os desafios atuais e futuros.

A avaliação dos participantes tem comprovado o aprendizado prático e seu impacto nas rotinas. A metodologia do programa é um diferencial que as empresas podem agregar ao desenvolvimento de seus gestores e equipes. Como Líder de Aprendizagem, recomendo o programa, por conta da gratificante comprovação de seus resultados positivos.

* ADALGISA ALMEIDA é Líder de Aprendizagem da MindQuest, com foco nos temas: Liderança, Desenvolvimento de Equipes, Cultura Organizacional, Mudanças e Coaching.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Compartilhar